Neste espaço pode-se escrever as experiências boas e ruins, é uma forma de passar para os outros nossas dificuldades ao trabalharmos em um país que as Leis e Decretos ficam apenas no papel. Quando criei este blog queria tão somente desabafar a frustração de ver tantos alunos aqui em Goiânia sem intérprete de libras, provocado pelo descaso do governo, mas depois percebi que poderia fazer mais, então comecei a postar textos de pessoas que nem conheço e gostei de ter lido. Achei que compartilhando esse material estaria ajundando outras pessoas em suas pesquisas, o que eu não pensei é que teria tanto acesso em tão pouco tempo, visto que meu blog foi criado em abril de 2011. Gostaria de agradecer a todos que têm acessado este blog, e espero ter ajudado e contribuido com alguma coisa. Se você tiver um texto que possa me enviar eu o postarei, assim estará me ajudando também.(regisneia@gmail.com)

Tradizir página

Adicionar aos Favoritos

Imprimir ou Salvar em PDF

Print Friendly and PDF

domingo, 3 de julho de 2011

Múltipla Deficiência: Novas Descobertas

Imagem Google desenho de crianças brincado de ciranda com garoto cadeirante
A múltipla deficiência é a expressão adotada para designar pessoas que têm mais de uma deficiência: auditiva ou visual (ou ambas) associada a outras deficiências (intelectual e/ou física), como também a distúrbios (neurológico, emocional, de linguagem, fala e desenvolvimento global) que podem prejudicar o desenvolvimento específico educacional, social, emocional, e dificultar, em maior ou menor grau, a sua autossuficiência, de acordo com  suas potencialidades e possibilidades. É uma condição heterogênea que identifica diferentes grupos de pessoas, revelando associações diversas  de deficiências que podem prejudicar, mais ou menos intensamente, o funcionamento individual e o seu relacionamento social. (Fonte: www.agapasm.com.br/multideficiencia.asp, apud REVISTA CIRANDA DA INCLUSÃO, 2010).
As pessoas com deficiências múltiplas podem apresentar:
  • surdez com deficiência intelectual;
  • surdez com distúrbios neorológicos, emocionais;
  • surdez com deficiência física (leve ou severa);
  • baixa visão com deficiência intelectual;
  • baixa visão com distúrbios neorológicos, emocionais, de linguagem e de conduta;
  • baixa visão com deficiência física (leve ou severa);
  • cegueira com deficiência física (leve ou severa); e
  • deficiência física com deficiência intelectual.
Os alunos com múltiplas deficiências podem:
  • aprender as habilidades em um ritmo diferenciado dos demais alunos;
  • esquecer habilidades que não são praticadas;
  • apresentar mais dificuldade em generalizar habilidades aprendidas separadamente do que os demais aluno;
  • necessitar de instruções mais organizadas e sistematizadas; e
  • apresentar necessidade de ter alguém para mediar seu contato com o meio que o rodeia.
Principais Adaptações Educacionais Necessárias:
O posicionamento e manejo apropriado é importante porque previne dores e complicações na postura, e necessário posicionar o aluno de forma que ele possa enxergar, ouvir, alcançar os objetos e movimentar-se com maior independência possível em sua atividades.
Procurar ensiná-lo que há escolhas, assim diminui o grau de dependência. Para tanto, é preciso proporcionar espaço para que ele possa se manifestar, demonstrando o que quer. Lembre-se que a comunicação é uma necessidade de todos os seres humanos, e pode ser um processo meio complexo para aquelas pessoas que, por dificuldades motoras ou sensoriais, não conseguem expressar suas necessidades, como fome, sede ou sentimentos, então, fique atento a formas que podem facilitar linguagem  no dia-a-dia desse aluno. Aprendam a planejar incluindo aspectos simples como: ir ao banheiro, escovar os dentes, utilizar o material escolar, entre outras coisas que pertencem a sua rotina. Oportunidades de aprendizagem centradas em experiências da vida real e não se esqueçam de organizar a estrutura do ambiente que irá receber esse aluno. (Revista Ciranda da Inclusão).
Processo de Aprendizagem:
Uma condição de dia-a-dia em sala de aula é oferecer estímulos e experiências de comunicação. Esse aluno precisa experimentar situações para que possa se desenvolver e ampliar sua compreensão de mundo. Sempre nos deparamos com alguns obstáculos que podem comprometer o aprendizado desse aluno, então, é preciso proporcionar, por meio de atividades comuns da vida diária, experiências essenciais significativas, para o desenvolvimento cognitivo e a aprendizagem de novos conceitos. Os objetos que o aluno irá manipular precisam estar localizados dentro do seu campo de visão e de fácil acesso, para proporcionar maior autonomia possível.  O professor deve fazer um levantamento prévio, para depois organizar um planejamento funcional para este aluno. 

Referência:
Revista Ciranda da Inclusão, São Paulo, 2010.