Neste espaço pode-se escrever as experiências boas e ruins, é uma forma de passar para os outros nossas dificuldades ao trabalharmos em um país que as Leis e Decretos ficam apenas no papel. Quando criei este blog queria tão somente desabafar a frustração de ver tantos alunos aqui em Goiânia sem intérprete de libras, provocado pelo descaso do governo, mas depois percebi que poderia fazer mais, então comecei a postar textos de pessoas que nem conheço e gostei de ter lido. Achei que compartilhando esse material estaria ajundando outras pessoas em suas pesquisas, o que eu não pensei é que teria tanto acesso em tão pouco tempo, visto que meu blog foi criado em abril de 2011. Gostaria de agradecer a todos que têm acessado este blog, e espero ter ajudado e contribuido com alguma coisa. Se você tiver um texto que possa me enviar eu o postarei, assim estará me ajudando também.(regisneia@gmail.com)

Tradizir página

Adicionar aos Favoritos

Imprimir ou Salvar em PDF

Print Friendly and PDF

domingo, 29 de maio de 2011

A Competitividade no Mercado de Trabalho

Imagem Google trabalho em equipe: mãos que formam cadeira
Diante de tantas e tamanhas necessidades que os brasileiros vivenciam, sobretudo os jovens, a preparação para o trabalho e a capacitação para a competitividade do mercado e da vida parecem um sonho difícil de se realizar. A educação profissionalizante nos parece ideal, algo desejável e bom. Afinal, preparar crianças e adolescentes, para o futuro, inseri-las no mercado de trabalho, dar-lhes uma carreira e uma oportunidade de “um futuro melhor”, costumam bastar como argumento a favor dessa prática. Mas será isso suficiente? Será que é isso que queremos no futuro: cidadãos capazes de competir e viver? Essa seleção não me parece nada natural. Algo me diz que estamos exagerando. Afinal, o que são, senão exagero, mensagens como a que li em um cartaz de um bairro nobre de São Paulo, que dizia: “cursos de inglês para crianças a partir de 2 anos”? Com 4 anos essas crianças estarão fazendo cursos de informática. Aos 6, prestarão vestibular infantil para serem aceitas na pré-escola. Sim, há vestibular para pré-escola. Desse jeito, meninos e meninas com 9 anos estarão frequentando academias de ginástica. Ah, eles já estão. Essa cultura da competição desmedida, da superação de limites cada vez mais difíceis, está nos roubando bons momentos ao lado de nossos filhos. Isso não é saudável. E, além de tudo, é o que nos trouxe até aqui. A essa sociedade de pessoas ansiosas, insatisfeitas e, não raro, frustradas ao 13 anos de idade. O trabalho é, sem dúvida, uma forma de inclusão social eficiente. Mas não é a única. Pessoas com dinheiro suficiente para viajar pelo mundo muitas vezes não se satisfazem em não fazer nada. Em curtir a vida. Em ler bons livros, assistir a bons filmes, fazer amigos, tomar bons vinhos, escrever um livro, plantar uma árvore, encontrar uma boa companhia, ter filhos, educá-los e morrer. Não. Eles precisam vencer. Mais ainda: precisam competir. Quando falamos em pobres e crianças carentes, o assunto ganha contornos ainda mais críticos. A maioria dos projetos de inclusão social, patrocinados pelo governo ou por fundações e Organizações Não Governamentais (ONGs) cheias de boas intenções, volta-se para a capacitação para o trabalho, para a profissionalização. Como se, para o pobre, ter uma profissão já estivesse muito bom – quem sabe assim eles largam de ser vagabundos e param de assaltar a gente. Isto é preconceito e exclusão social. Recentemente li sobre um projeto que apoia crianças carentes (ou em “situação de risco”, como se diz) e lhes ensina uma profissão. Neste caso, elas aprendem como afinar piano e violinos. Meu Deus. Ensinem essas crianças compor canções, a tocar instrumento. Não apenas afiná-lo. Sem dúvida, a educação para o trabalho é uma responsabilidade a ser assumida pelos gestores desses projetos. Proporcionar condições para a inclusão por meio do trabalho é uma obrigação das sociedades democráticas e um passo decisivo para a conquista da cidadania. Mas, repito, não é o único. Mesmo porque, não há hoje e não haverá, no futuro, emprego e trabalho para todos. Cada vez menos gente precisará trabalhar para garantir os níveis de produção necessários para o bem-estar geral. Precisamos, portanto, de alternativas de ocupação. Para o sociólogo italiano Domenico de Masi, a saída é reduzir o tempo de trabalho dos indivíduos. Só assim a sociedade poderia almejar integrar os cidadãos. Deveríamos gastar mais tempo viajando, diz ele. Indo a bibliotecas e parques, frequentando igrejas e fazendo amor. E deveríamos ser pagos para isso. Os ganhos que isso traria para a sociedade em qualidade de vida, saúde e segurança já valeriam a pena. Seja como for, a educação deve ter suas metas reformuladas, para formar pessoas socialmente integradas, úteis e responsáveis por si mesmas. O trabalho pode fazer parte disso tudo. Ou Não. Quero um mundo de pessoas que possam, se preferirem, não competir.

REFERÊNCIA

MIRANDA, Celso. Menos competição. Revista Super interessante. São Paulo: Abril, (237)1, p. 114, 2003.

Atenção! Esse texto é do original de Celso Miranda. Encontrado nos trabalhos produzidos pela Universidade Federal de Goiás, faculdade de Educação Física, com o título de: Menos Competição. Modificado para leitura.